BUSCAR

3 de setembro de 2019

Justiça nega pedido de liberdade para suspeito de matar Gabriel Brenno

A defesa de Deivid alega que há ausência de fundamentação na prisão preventiva.


Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com
O Tribunal de Justiça do Piauí negou o pedido de habeas corpus para o mestre de obras Deivid Ferreira de Sousa, 34 anos, principal suspeito de ter assassinado o estudante Gabriel Brenno, 21 anos. Gabriel foi vítima de arma de fogo na nuca enquanto saía de uma pensão no centro de Teresina no dia 17 de julho; ele foi internado mas não resistiu aos ferimentos.
A defesa de Deivid alega que há ausência de fundamentação na prisão preventiva, sob a argumento da “inexistência de fatos concretos que justifiquem a aplicação da medida extrema”, no caso, a prisão. Os advogados também justificaram que o paciente é primário, e que não responde por outros processos criminais. 
Uma câmera de segurança registrou o momento em que um suspeito, supostamente Deivid, chega a pés na rua da pousada onde Gabriel Morava e efetua um disparo na nuca do estudante.
Na análise do juiz na decisão, a prisão preventiva de Deivid segue os parâmetros legais 
A decisão monocrática foi firmada pelo desembargador Edvaldo Pereira de Moura e publicada nessa segunda-feira (2).
Depois de 16 dias desaparecido, Deivid foi preso no dia 7 de agosto e quando foi apresentado pela polícia chorou e disse que estaria arrependido de ter assassinado o estudante. No dia seguinte, ele passou por audiência de Custódia e foi encaminhado para o sistema prisional.

De acordo com as investigações, o suspeito descobriu que sua companheira manteve um relacionamento extraconjugal com Gabriel. Com informações do Portal Sinal Verde

Nenhum comentário:

Postar um comentário