BUSCAR

5 de julho de 2020

Covid-19: Após liberação geral do prefeito Francisco Nagib, bares voltam a lotar em Codó


Bar do Gaúcho na Avenida Augusto Teixeira

Após a liberação geral do prefeito em pleno no auge da Covid-19, bares nos quatro cantos de Codó voltam a lotar, codoenses ignoraram de vez o vírus e se arriscam em aglomeração, no Buteco Bar, teve até festa e reuniu várias pessoas.

IGNORANDO O NÚMERO DE CASOS CONFIRMADOS E ÓBITOS POR COVID-19

Codó hoje registra 2837 casos confirmados e 61 mortes por Covid-19, sendo uma das cidades do Maranhão com mais casos confirmados e óbitos, mas enquanto isso, muitos codoenses fecharam  os olhos para o problema e voltam suas rotinas normalmente como se tudo já tivesse resolvido.

Ciganos suspeitos de envolvimento com crimes de agiotagem e homicídio, são executados no município de São Benedito-MA

Na última sexta-feira (03/07), dois homens foram executados a tiros, uma terceira pessoa ficou ferida, no município de São Bento, região da baixada Maranhense.

Segundo informações, três pessoas seguiam em um veículo, Fiat Palio, de cor vermelha, em uma via do bairro Zaquelândia, quando o carro foi interceptado por dois homens em uma motocicleta.

A dupla disparou uma sequência de tiros contra os ocupantes do veículo. As vítimas fatais foram identificadas apenas como João e Evaldo, também conhecidos como ”Sem Camisa” que seriam moradores de um acampamento de ciganos, localizado às margens da MA-014.

Testemunhas disseram que após ser baleado João ainda conseguiu descer do carro, mas acabou morrendo em uma calçada a poucos metros do local do crime, Evaldo morreu dentro do carro, a maioria dos disparos atingiram a cabeça das vítimas.blank

O terceiro ocupante do carro seria o sobrinho de Evaldo, este foi baleado, mas foi socorrido e levado para o hospital de São Bento, onde segue internado.

As duas vítimas fatais teriam envolvimento com crimes de homicídio e agiotagem. A Polícia Civil de São Bento está investigando o caso e tentando identificar os suspeitos e determinar a motivação do crime.

do Nornal Itaqui-Bacanga

4 de julho de 2020

‘Governo federal tem sido muito generoso com o Maranhão’, diz Roberto Rocha

O senador Roberto Rocha (PSDB) comentou hoje (3) a notícia de que o governo Jair Bolsonaro (sem partido) disponibilizou mais um aporte financeiro para o combate à Covid-19 no Maranhão.

Segundo portaria publicada ontem (2) pelo Ministério da Saúde, governo e municípios maranhense receberão mais R$ 672 milhões .

Para o tucano, isso é mostra de generosidade do governo federal, apesar dos constantes ataques disparados pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

“O governo federal tem sido muito generoso com o Maranhão, não há como negar. Apesar da hostilidade e falta de respeito do governador e seus aliados com o presidente Bolsonaro, o Maranhão segue recebendo recursos como nunca antes na história do estado”, destacou Rocha, apontando que, desde o início da pandemia, o Maranhão já recebeu mais de R$ 6 bilhões em recursos federais para combater o novo coronavírus.

Veja quanto cada Prefeitura do Maranhão vai receber para o combate da Covid-19

O Maranhão deve receber nos próximos dias mais de R$ 672 milhões para o enfrentamento do novo coronavírus (Covid-19). O repasse foi autorizado pelo governo federal na quinta-feira (2).O montante milionário foi dividido entre o governo Flávio Dino (PCdoB), que vai receber R$ 96,3 milhões, e as Prefeituras, que vão ficar com R$ 575,6 milhões.

A capital maranhense é a cidade que mais vai receber em recursos do governo federal, cerca de R$ 46.492.564,00 milhões.

Em seguida, vem a Prefeitura de Pinheiro, que vai ganhar R$ 13.520.699,00 milhões. Bacabal também está na lista das que mais vão ganhar verbas. Serão repassados ao Executivo R$ 10.565.351,00 milhões.

Entre as cidades que também vão receber cifras milionárias estão a de Imperatriz com R$ 9.877.461,00 milhões, Timon com R$ 8.364.730,00 milhões, São José de Ribamar com R$ 7.315.004,00 milhões, Codó com R$ 6.338.98,00 milhões, Lago da Pedra com R$ 6.775.135,00 milhões, Açailândia com R$ 6.398.523,00 milhões, Grajaú com R$ 6.338.988, Balsas com R$ 5.914.554,00 milhões, Barra do Corda com R$ 5.649.831,00, Pedreiras com R$ 5.599.908,00 milhões.

A verba deverá ser destinada para compra de insumos hospitalares, contratações de profissionais da saúde, melhorias de hospitais e custeio de intervenções médicas. Além de outras ações ligadas à saúde.

Além desses recursos, o governo Flávio Dino já recebeu mais de R$ 2 bilhões por meio de emendas parlamentares, contratos e convênios do governo Bolsonaro.







Maranhão é o estado com maior quantidade de servidores públicos que receberam o auxílio de forma irregular


O Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA) e a Controladoria-Geral da União (CGU) realizaram levantamento para a identificação dos beneficiados no Maranhão com o auxílio emergencial de R$ 600,00, pago pelo Governo Federal, para amenizar os impactos econômicos causados aos cidadãos de baixa renda com a pandemia do coronavírus (Covid-19).

O trabalho realizado pelas instituições de controle detectou que 84 mil servidores públicos receberam indevidamente o auxílio, causando um prejuízo superior a R$ 60 milhões de reais aos cofres públicos. Os números indicam que o Maranhão é o estado com maior quantidade de servidores públicos que receberam o auxílio de forma irregular.

Os dados foram levantados pelo TCE a partir de análise das informações constantes das folhas de pagamento do estado e dos municípios, sistematizados em banco de dados pelos auditores da instituição e posteriormente enviados à CGU, uma vez que o auxílio é custeado com recursos do Governo Federal.

A equipe de auditores que integra a Secretaria de Fiscalização acompanha as ações realizadas pelos gestores públicos durante a pandemia para assegurar o cumprimento das normas que balizam a correta aplicação dos recursos públicos, como forma de permitir que a população receba a assistência necessária para enfrentar os feitos danosos causados pela crise sanitária. “Crises como essa requerem que as políticas públicas emergenciais sejam efetivas em toda a sua amplitude. Nosso papel como órgão de controle externo é atuar para que isso se torne realidade”, destaca o secretário de Fiscalização, Fábio Alex de Melo.

“A parceria entre as duas instituições de controle em atividades dessa natureza é uma prática rotineira, uma vez que ambas integram a Rede de Controle da Gestão Pública no Maranhão, que se dedica a dar maior efetividade às ações de avaliação do emprego dos recursos públicos pelos gestores maranhenses”, explica o secretário-geral do TCE, Ambrósio Guimarães Neto.

A próxima etapa do trabalho envolverá a disponibilização de todas as informações relativas às irregularidades cometidas na percepção do auxílio emergencial aos gestores públicos para a adoção das providências de defesa necessárias pelos beneficiados e a aplicação das sanções previstas na legislação nos casos em for comprovada a irregularidade.

Desde o início da Emergência Nacional em Saúde Pública causada pelo coronavírus (Covid-19), o TCE vem adotando diversas providências dentro de sua competência para assegurar cumprimento das exigências legais nas ações implementadas pelos gestores públicos para combater a propagação da doença e prestar assistência à população.

Em plena pandemia, Ministro Tarcísio impressiona e entrega 36 obras de infraestrutura no primeiro semestre

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou hoje (2) que a manutenção da logística de abastecimento no país foi a grande vitória da pasta, no primeiro semestre, em meio à pandemia do novo coronavírus (covid-19). De acordo com o ministro, que classificou a crise sanitária como “sem precedentes”, o país está atravessando a pandemia sem o desabastecimento de supermercados, falta de combustível ou de insumos hospitalares.

“Estamos atravessando a pandemia sem nenhum problema de abastecimento, com prateleiras cheias nos supermercados. Não faltou combustível, gás de cozinha ou o insumo médico e isso foi uma vitória silenciosa. Acredito que essa foi a maior vitória nesse primeiro semestre, garantir o abastecimento em uma situação de pandemia”, disse o ministro durante videoconferência para apresentar o balanço das atividades da pasta nos primeiros seis meses deste ano.

Segundo o ministro, a manutenção do abastecimento foi conseguida por meio de parcerias que possibilitaram a continuidade do trabalho de caminhoneiros, em condições sanitárias favoráveis, e a utilização de outros modais, como o ferroviário e o portuário, utilizados para escoar a safra de grãos.

“Montou-se uma grande estrutura de apoio aos caminhoneiros, com triagem médica, kits de alimentação e de higiene”, disse o ministro. “Também conseguimos dar vazão a uma safra de 252 milhões de toneladas e também garantimos o funcionamento do setor mineral. O resultado pode ser visto no crescimento do movimento ferroviário e portuário”, acrescentou.

Tarcísio disse que, mesmo com a pandemia, a pasta conseguiu manter o planejamento para o período estabelecido no final do ano passado, com a conclusão de obras e entregas parciais nos primeiros seis meses deste ano. O ministro disse que foram 36 inaugurações entre janeiro e junho, sendo 23 entre março e junho, período mais afetado pela crise sanitária.

De acordo com o ministério, no primeiro semestre de 2020, R$ 3,5 bilhões foram investidos em obras. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) concluiu 129 quilômetros (km) de rodovias duplicadas, pavimentou 88,5 km e fez novas restaurações em 110,6 km.

O ministério destacou ainda a entrega da nova sala de embarque do Aeroporto de Navegantes (SC); a reforma e ampliação do terminal de passageiros do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu (PR) e reformas nos portos de pequeno porte em Parintins (AM), Coari (AM) e Turiaçu (MA).

Durante a videoconferência, o ministro citou ainda a assinatura de renovação do contrato de concessão ferroviária da Malha Paulista. O contrato original, que venceria em 2028, foi renovado por mais 30 anos. A previsão é de que sejam realizados investimentos de R$ 6 bilhões na ampliação da capacidade de transporte.

De acordo com o ministro, a expectativa é de manter boa parte do cronograma até o final do ano, especialmente no que diz respeito às concessões de aeroportos, portos, ferrovias e rodovias.

Tarcísio citou o envio ao Tribunal de Contas da União (TCU) do edital de leilão e a minuta de contrato da 6ª rodada de concessões de aeroportos. Fazem parte da rodada de concessões 22 aeroportos das regiões Sul, Norte e Centro-Oeste, divididos em três blocos.

“Até o final de julho e meados de agosto, a gente deve encaminhar para o TCU também os editais da BR-381 e BR-262 em Minas e no Espírito Santo; a Nova Dutra [BR-116] que estamos agregando à [rodovia] Rio-Santos [BR-101] e a [ferrovia] Ferrogrão. Então teremos 42 projetos em análise o que é muito perto da meta que tínhamos estabelecidos de leilão para esse ano, com R$ 75 bi de investimentos para serem contratados”, disse.

Agência Brasil

Atualizando: Codó registra 2837 casos confirmados e 61 mortes por Covid-19

3 de julho de 2020

Hoje tem live com Dr. Mário Braga




Supermercado Mateus abre suas portas em Codó, veja como foi a inauguração


Na manhã desta sexta-feira(3), foi inaugurado em Codó, a maior empresa varejista do país, e 7ª dentro do segmento Super, Hiper e Atacado.

Diferente de outras cidades, a inauguração foi tranquilo, não teve aglomeração de pessoas como muitos pensavam.

Veja as fotos da inauguração 
Fotos via internet

Bolsonaro manda mais R$ 672 milhões para o combate à Covid-19 no Maranhão

O governo federal autorizou, nesta quinta-feira (2), de uma só vez, o repasse de mais R$ 13,8 bilhões para o combate à Covid-19 em todo o país. Este é o maior valor já liberado em uma única fase.

Os recursos podem ser usados para melhoria da oferta dos serviços hospitalares e de Atenção Básica por meio da aquisição de insumos e produtos, custeio de intervenções médicas, contratação de profissionais de saúde, entre outras benfeitorias na rede pública de saúde, com foco na assistência ao cidadão. Ao todo, já são cerca de R$ 25 bilhões destinados exclusivamente para a Covid-19.

Para o Maranhão foram destinados R$ 672 milhões, sendo R$ 96,3 para o governo Flávio Dino (PCdoB) e outros R$ 575,6 milhões aos municípios.

Veja aqui a portaria do Ministério da Saúde.