BUSCAR

27 de julho de 2019

Da roça no Maranhão ao policiamento no RS: jovem viaja 3,6 mil quilômetros para se tornar soldado da PM

Montelo foi um dos policiais formados em solenidade na manhã desta sexta-feira
Andréa Graiz / Agencia RBS
A viagem de Bom Jesus das Selvas, no interior do Maranhão, até Porto Alegre, em dezembro de 2017, durou “três dias e três noites”. Assim José Evanilson da Silva Montelo, 24 anos, define os 3,6 mil quilômetros que percorreu para a prova de seleção de policiais militares no Rio Grande do Sul.
Para isso, deixou para trás a realidade da roça, onde plantava e colhia para ajudar a família. Na manhã desta sexta-feira (26), tornou-se um dos 507 novos soldados da Brigada Militar.
O município onde Montelo vivia com os pais e os seis irmãos fica a 465 quilômetros da capital maranhense, São Luís. No povoado, chamado Buritirana, ajudava o pai, João Evangelista, e a mãe, Deuzanira, na lida na roça. Plantavam arroz, feijão, milho e aipim. Criavam galinhas e porcos. Tudo para o sustento da família.
Para auxiliar em casa, também trabalhou como lavador de carros e ajudante em uma siderúrgica. Mas sonhava com a carreira de policial. Em 2017, quando soube que 4,1 mil vagas seriam abertas no Rio Grande do Sul, resolveu arriscar. Sem recursos, estudava pela internet.
Formatura realizada na manhã desta sexta-feira no Gigantinho
Andrea Graiz / Agencia RBS
— Era um sonho, desde pequeno. Quando vi o concurso, acreditei que era a minha chance — recorda.
Para chegar ao Estado, o jovem recorreu a um empréstimo no banco e contou com apoio de familiares. Foram necessários R$ 670 para pagar a passagem, mais os gastos com alimentação durante a longa viagem. Montelo partiu de ônibus com destino a Porto Alegre quatro dias antes da prova. O percurso durou 72 horas.
— Fiz várias conexões. A primeira em Goiânia, onde tive que pegar outro ônibus. Depois fui em direção a São Paulo. Lá peguei outro ônibus até Santa Catarina e vim parar aqui em Porto Alegre. Não conhecia ninguém. Só eu e Deus mesmo, que me acompanhou — recorda.
Nove meses depois, em setembro de 2018, o nome de Montelo apareceu na lista dos aprovados que deveriam apresentar a documentação. Era mais um passo para a realização do sonho. Há quase nove meses, depois de todas as etapas vencidas, ingressou no curso de formação em Porto Alegre.
No RS, diz que se acostumou com a mudança e inclusive com as temperaturas amenas. Em Bom Jesus das Selvas, a temperatura média mais baixa é 25°C.
— É muito frio o inverno, mas é muito bom esse clima — diverte-se.
Como os pais não conseguiram vir para a formatura nesta sexta-feira, Montelo escolheu como madrinha a soldado Graziele Pinheiro, 35 anos. Com 12 anos de Brigada Militar, ela foi uma das instrutoras que participaram da formação dos novos brigadianos. Sorridente, acompanhava a solenidade durante a manhã.
— Recebi essa honra de ser madrinha dele — diz, emocionada.
Nesta sexta-feira, o recém-formado telefonou para os pais.
— Eles estão muito felizes. É um sonho que se realiza hoje.
Agora, o maranhense está na expectativa da cidade de destino. Após a formatura, com base na classificação que obtiveram ao longo do curso, os novos soldados serão encaminhados para os municípios onde atuarão no policiamento.
A madrinha torce para que ele permaneça na Capital. Já Montelo sorri e diz que está preparado para o que vier. Experiência em mudanças ele já tem.
— Essa formatura para mim representa uma conquista muito grande, não só minha, mas de todos aqueles que me apoiaram e deram forças para que eu pudesse realizar este sonho — confidencia.
AGÊNCIA RBS

Nenhum comentário:

Postar um comentário