BUSCAR

7 de janeiro de 2020

Efeito Jorge Jesus e Sampaoli: Quem são os treinadores recém-chegados ao Brasil


O impacto causado pelo português Jorge Jesus, campeão brasileiro e da Libertadores pelo Flamengo, e pelo argentino Jorge Sampaoli, que deixou o Santos depois do vice-campeonato nacional, abriu as portas a novos treinadores estrangeiros em 2020. Três clubes da primeira divisão já confirmaram as contratações de comandantes de fora do país: o Atlético-MG, com o venezuelano Rafael Dudamel, o Santos, com o português Jesualdo Ferreira, e o Inter, com o argentino Eduardo Coudet. 

Outros clubes, como o recém-promovido Red Bull Bragantino, que negocia com o português Carlos Carvalhal, também podem recorrer à metodologia gringa até o início do Brasileirão. Nem todos os forasteiros, porém, seguem exatamente a filosofia de jogo que consagrou Jesus e Sampaoli. Confira, abaixo, o que esperar dos novos “misteres”.


Dudamel, de 46 anos, surpreendeu os torcedores de seu país ao deixar a seleção venezuelana depois de cinco anos de um elogiado trabalho, alegando desavenças com a diretoria. No comando da seleção “Vinho Tinto” adulta, ele participou de 42 jogos, com 12 vitórias, 17 empates e 13 derrotas. No ano passado, se destacou na Copa América do Brasil, no qual empatou com a seleção anfitriã na primeira fase e caiu nas quartas de final diante da Argentina. 

A Venezuela de Dudamel causou enormes problemas à seleção brasileira e a outras gigantes do continente jogando de maneira defensiva e organizada, assustando nos contra-ataques. Ao desembarcar nesta segunda-feira, 6, em Belo Horizonte, ele negou que seja um “retranqueiro”. “Meu estilo é ganhar!”, disse. “Estou muito feliz de estar no Galo, por sua grandeza, por sua história e é uma grande oportunidade de triunfar”, completou.

Dudamel foi um goleiro de destaque, titular de seu país durante muitos anos – era o goleiro do Deportivo Cáli, da Colômbia, na final da Libertadores de 1999 vencida pelo Palmeiras –, e pendurou as luvas em 2010, quando iniciou a nova carreira no Estudiantes de Mérida, único clube que dirigiu. Ele assinou contrato de dois anos com o Atlético e tem como um de seus principais trunfos a habilidade para desenvolver jovens jogadores, uma necessidade do clube. Era ele o treinador da surpreendente seleção venezuelana que conquistou o vice-campeonato mundial sub-20 em 2017.

da Veja

Nenhum comentário:

Postar um comentário